ÀS MINHAS MENINAS

Se eu disser-lhes, meninas,
Águas represadas fluirão serpenteadas
E descerão como rios pelos meus olhos.

As palavras justas, meninas,
Sairão da boca, entrarão pelo umbigo
E rebaterão no peito, beijando-o:

"As minhas outras são vocês.
Nós mesmas, elas, únicas:
A Única.

Obrigada
Pela poesia que brota e
Pelo encontro que liberta."

Ah... posso finalmente chorar
Muita água, muita água, muita água,
Alívio molhado em mim.

Canto feminino sem lamento,
Por tanto amor que há e volta
Nas curvas da natureza espiral.

(Guebo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário