LAVRA IRRESISTÍVEL


"O amor
é uma ave a tremer
nas mãos de uma criança.
Serve-se de palavras
por ignorar
que as manhãs mais limpas
não têm voz."
(Eugénio de Andrade)


O amor me faz falar.
Pelo portal da escrita,
derrama um fluxo enérgico,
apaixonado e irresponsável
de palavras.

E já me ensinou que
elas têm muitos poderes:
de apaziguar, encantar e unir;
de invadir, paralisar e sufocar, também.

A ela, 
eu não disse:
"uma flor,
uma pérola...".

Apenas senti: paz, unidade,
comunicação dos corpos
em línguas inacessíveis
ao pensamento humano.

Mas sei que vou!
"Como pode estar aqui,
leve pluma?",
e mais...

Pois quero sim dizer,
sem metalinguagem,
sem parar
de dançar e cantar;

como lavrar,
palavrear,
levar
ar.

(Guebo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário