LIBERDADE

não quero colocar minha felicidade
sonhos, desejos, energias
nas mãos de alguém.
isso é muito frágil e perigoso.

não quero que ninguém coloque
sua energia e felicidade
em mim, nas minhas oscilantes
ações e desejos.

quero poder ser eu
integralmente                 
                (eu sou fluxo)
sem medo           
sem cobrança            
                     (tenho meu curso)
sem repressão
com acolhimento        
                    (eu posso sentir)
com compaixão           
                   (eu posso querer)
com lucidez
para vivenciar cada expressão 
      (tenho meu desejo)
para seguir impulsos
               
                 ou não

não quero mentiras
não quero tabus
quero a clareza
olhar a vida de frente
sem vergonha sim
e sem correntes

eu sou eu             
                  (em processo)
você é você            
                (em processo)

eu quero ser feliz
você também

eu posso te ajudar
você também!

ajudar.
a-ju-dar…,
um pouco.

no meio dos meus caminhos
e confusões e aflições
e capacidades e vontades
eu posso te ajudar
no seu caminho
de felicidade.
seu caminho...           
            (nosso)
seu caminho...           
             (interdependente)

caminho múltiplo
de várias frentes
de vários seres
em comunhão.

não dou conta
de ser apenas o que gostaria
não dou conta
de caber numa caixinha
não dou conta
de corresponder às expectativas
não dou conta
de andar nessa linha
não dou conta
de fazer você feliz!

posso apoiar.
posso aliviar.
posso fugir.
posso gritar.
posso aprender contigo.
posso me abrir
e receber sua generosidade

sem possuir      
                  (sem me possuir)
sem prender     
                  (sem me prender)
sem anular       
                  (sem me anular)

posso ajudar
a ver
o mundo
os mundos
com olhos claros
e coração livre.

sem a visão da liberdade
o sofrimento é certo.
na hipocrisia do não sentir
sempre existirão os lugares
que não podem ser tocados
(fragéis, doerão ao serem).
a crença que uma configuração
específica e externa
vai, finalmente,
garantir a felicidade,
é o jogo do controle:
aflição permanente.

que nenhuma crença nos afaste!
que nenhuma crença nos afaste
da natureza de fluxo

que juntos e diversos                   (e profundos, e inteiros)
possamos nos conectar       

e reconectar e reconectar            (e reconectar e reconectar...)   
para além dos personagens,       (e renovar e renovar e renovar...)
especialmente daqueles doentios
que a sociedade ensinou.       

eu já sou
tu já és

não precisamos corresponder
a ideias quaisquer

eu já sou
tu já és

me deixo ser
te deixas ser

nós já somos
vamos

sentir o prazer
de já ser.

encontra tua potência
e encontrarás a minha

encontro minha potência
e encontrarei a tua

larguemos o prazer de ser
um nome fixo e pequeno
e encontremos o prazer
de ser fluxomar
e reconhecer
nossa verdadeira face:
liberdade.

(Guebo)

gratidão a João Vale

Nenhum comentário:

Postar um comentário